Trovoada… Odiada por muitos, adorada por outros

Afinal, o que é a trovoada e como se forma? É perigosa? O que devo fazer para me proteger?

Continuem a ler para descobrir!

 

O QUE É A TROVOADA?

A trovoada consiste, como toda a gente sabe, em descargas elétricas resultantes de condições atmosféricas instáveis

A trovoada produz um flash (relâmpago) e um barulho (trovão)

Durante a noite por vezes vemos os relâmpagos, mas não ouvimos os trovões dada a distância que por vezes ocorre, enquanto que durante o dia, devido muitas vezes ao maior brilho, e ser mais difícil de “detetar” os relâmpagos, ouvimos o barulho mas não vemos o relâmpago

 

COMO SE FORMA A TROVOADA?

A trovoada forma-se em situações de instabilidade atmosférica, em que existe ar quente por baixo de ar frio, digamos

Esse ar quente terá tendência a subir, e por consequência arrefecer e condensar

Se a instabilidade for elevada a “ascensão” desse ar quente pode ser muito rápida e formar as típicas “nuvens de trovoada”, Cumulunimbus, por vezes em poucos minutos

Isso é muito comum em Portugal em trovoadas de Verão

À medida que o ar quente vai subindo mais gotas de água vão sendo formadas e acabam por “gelar” formando cristais de gelo (granizo), que eventualmente ficam demasiado pesados, e nao são suportados pela corrente ascendente e acabam por cair

As trovoadas são geradas devido a cargas negativas na base da nuvem e cargas positivas no topo da nuvem e eventualmente essa carga negativa é atraída para o solo ou para outras nuvens

A maior parte das descargas não chega ao solo, sendo portanto, uma descarga “intra-nuvem”, quando chega ao solo chama-se uma descarga “nuvem-solo”

O barulho que ouvimos tem a ver com uma propriedade física da atmosfera, em que o ar rapidamente se expande com o trovão, criando o barulho por vezes muito intenso de um trovão (Pode chegar a 120db de intensidade sonora, e se estiverem suficientemente perto causar problemas auditivos, normalmente temporários)

 

 

AS TROVOADAS SÃO PERIGOSAS?

Geralmente, não. Mas podem ser

A probabilidade de ser atingido por um raio é muito, muito baixa

No entanto acontece, em raras situações, especialmente se se colocarem em situações de risco (já lá vou)

No entanto as trovoadas por vezes estão associadas a fortes situações de instabilidade, que podem gerar fenómenos severos, como granizo grande, chuva excessiva, e, em alguns casos, fenómenos extremos, como tornados, downbursts, ou microbursts

As trovoadas são também uma situação que os pilotos de aviação tentam evitar, pois podem causar problemas no voo, particularmente se forem severas

 

O QUE FAZER PERANTE UMA SITUAÇÃO DE TROVOADA?

Primeiro deve manter a calma, principalmente se for uma pessoa que tem medo de trovoadas, o que é muito comum

Pode tentar perceber a que distância se encontra a trovoada contando os segundos entre o relâmpago e o trovão (1 segundo = 340 metros)

Depois deve evitar ser o ponto mais elevado à sua volta, pois nesse caso o seu corpo passa a ser o “preferido” para atrair o relâmpago

Isto significa que deve evitar de todo locais de campo aberto, sem nada à volta, ou locais elevados acima do nível das árvores, e também deve evitar estar perto de árvores altas, pois o relâmpago poderá cair nessa árvore, assim como torres de comunicação, postes de eletricidade, entre outras coisas altas que possam atrair o relâmpago

Também evitar estar dentro de água, como piscinas, rios, ou praia, visto a água ser bom condutor de eletricidade, e ainda evitar o contacto com equipamentos elétricos

Se seguirem todas estas dicas, certamente não terão qualquer problema com a trovoada

 

É POSSÍVEL PREVER COM EXATIDÃO A TROVOADA?

Não. A trovoada é dos fenómenos meteorológicos mais difíceis de prever, pelo menos prever os locais exatos onde vão ocorrer

Tratam-se de fenómenos de pequena escala que os modelos não representam muitas vezes corretamente

No entanto é possível prever com relativa exatidão se poderá ocorrer ou não trovoada numa determinada zona

Para prever trovoada alguns valores a ter em conta nos modelos são o CAPE (Energia potencial convectiva), LI (Lifted Index) e humidade em várias camadas da atmosfera (700hpa é o mais importante)

Normalmente com valores de CAPE superiores a 500 J\Kg, Lifted Index negativo e humidade relativa a 700hPa elevada, temos condições para que se formem trovoadas, mas pode haver fatores inibidores

Quanto maiores forem os indíces de instabilidade, mais provável a ocorrência de trovoadas mais severas e com potencial para fenómenos mais extremos